quinta-feira, 20 de julho de 2017

Brasileiro 2017: Flamengo da Rodada 11 à Rodada 15


Campeonato Brasileiro de Futebol 2017

Rodadas 11 à 15

Desempenho

Depois de fazer apenas 6 pontos nas 5 primeiras rodadas, e de fazer 11 pontos entre as rodadas 6 e 10, o Flamengo fez 8 pontos entre as rodadas 11 e 15. Um desempenho fraco na largada, muito bom na sequência seguinte, e apenas mediano nesta última fatia de cinco rodadas, com a ressalva de que esta última foi a mais difícil, com vários confrontos diretos contra adversários no topo da tabela do Campeonato Brasileiro. Mas se não foi ruim, faltou capacidade de decidir duelos cruciais na luta pela pontada tabela.

No gráfico abaixo, a linha verde superior representa o desempenho esperado de uma equipe com campanha para ser campeã, a linha azul representa o desempenho capaz de colocar o clube no G-4, obtendo a classificação para a Libertadores, e a linha rosa é o desempenho suficiente para livrar uma equipe do rebaixamento à Segunda Divisão.


Comparativamente ao desempenho em 2016, quando o Flamengo fez sua melhor campanha em pontos corridos na história, em 2017 a largada foi pior, mas o desempenho tanto entre as rodadas 6 e 10 quanto entre as rodadas 11 e 15 foi melhor. O Flamengo paga o preço pela largada ruim.



Desempenho Histórico

Com 25 pontos em 15 rodadas, o Flamengo se mantinha com sua 3ª melhor colocação na história do Campeonato Brasileiro por pontos corridos. É o terceiro melhor desempenho nas 15 primeiras rodadas desde 2003, superado apenas por 2011, quando tinha 33 pontos, e por 2008, quando tinha 28 pontos. A campanha tem 1 ponto a mais, a esta altura, do que tinha em 2016, ano no qual o clube terminou o campeonato com sua maior pontuação na história dos pontos corridos.

Tomando o desempenho nos últimos Campeonatos Brasileiros, desde que foi implementado o sistema de pontos corridos, eis a seguir a pontuação rubro-negra em cada edição até esta mesma rodada: 



Jogo a Jogo
11ª Rodada - 02/07 - Flamengo 2 x 0 São Paulo
Local: Estádio Luso-Brasileiro (Ilha do Urubu)
Gols: Guerrero (37'1T) e Diego (41'2T)

Importantíssima vitória rubro-negra! Durante a semana o time havia enfrentado o Santos, na mesma Ilha do Urubu, pelo primeiro jogo das quartas de final da Copa do Brasil, e vencido por 2 x 0, com uma excelente atuação. Nest partida, Zé Ricardo jogou com: Thiago, Pará. Réver, Juan (Rafael Vaz) e Trauco; Márcio Araújo, Cuéllar, Diego e Everton; Berrio (Vinícius Júnior) e Guerrero (Damião). A energia do novo estádio, inflamada pela proximidade da torcida ao campo, transformaram a pequena arena num caldeirão. E as vitórias embalaram o time nos primeiros jogos disputados no novo campo.

Contra o São Paulo, o Flamengo pode ter pela primeira vez a dupla de zaga formada por Réver e Rhodolfo, as "Torres Gêmeas", e voltou a ter o tripé ofensivo com Diego, Everton Ribeiro e Guerrero. Um trio diferenciado, com excelente capacidade técnica. E foi este trio que decidiu o jogo contra o São Paulo, numa tarde na qual o time rubro-negro não teve uma grande atuação. Dominou o jogo, sim! Mostrou porque estava na ponta de cima da tabela, e porque os sãopaulinos estavam na ponta de baixo (com a derrota, ingressaram na Zona de Rebaixamento ao fim da rodada). Mas, a atuação coletivo não foi inspirada. Porém, no fim do primeiro tempo, Guerrero cobrou uma falta magistralmente da entrada da área e abriu o marcador. Quatro minutos depois, uma triangulação que começou em Guerrero, passou por jogada de diferenciada inteligência e habilidade de Everton Ribeiro para entrar na área e cruzar, e terminou com uma excepcional conclusão de Diego. Pronto! Jogo resolvido! No 2º tempo, a atuação continuou insossa. Guerrero quase fez o terceiro, o São Paulo dominou mas ameaçou pouco, e os três pontos caíram na conta.

Ao fim da rodada, o Flamengo se manteve na 3ª colocação, com 20 pontos. O líder, Corinthians, fazia uma campanha excepcionalmente anormal, e tinha 29 pontos em 33 possíveis. O vice-líder, Grêmio, já estava agora apenas dois pontos a frente do Flamengo. O time ensaiava a arrancada rumo ao topo da tabela, mas tinha pela frente uma sequência bastante difícil.

Time titular: Thiago, Pará, Réver, Rhodolfo e Trauco; Márcio Araújo, Cuéllar, Diego e Everton; Everton Ribeiro e Guerrero.
Téc: Zé Ricardo
Entraram: Berrio no lugar de Everton Ribeiro, Matheus Sávio no lugar de Everton e Renê no lugar de Trauco



12ª Rodada - 08/07 - Flamengo 1 x 0 Vasco
Local: São Januário
Gol: Everton (19'2T) 

Mais uma importante vitória rubro-negra decidida à base do talento individual, sem que o time tivesse uma boa atuação dentro de campo. Durante a semana pela fase dezesseis avos de final da Copa Sul-Americana o técnico Zé Ricardo levou ao Chile um grupo recheado de reservas para enfrentar o Palestino, algoz rubro-negro na edição do ano anterior, mas cujo time recém voltava de férias. O time jogou com: Thiago, Rodinei, Réver, Rafael Vaz e Renê; Cuéllar, Willian Arão (Rômulo), Everton Ribeiro e Everton; Berrio (Mancuello) e Leandro Damião (Felipe Vizeu). Depois de um 1º tempo sem gols, o Flamengo abriu o marcador no primeiro minuto, pouco depois tomou uma virada, mas logo depois, em dois minutos, revirou. Com 15 minutos, vencia por 3 x 2. Acabou goleando por 5 x 2 e praticamente selou sua classificação. Equipe poupada, mas que teve problemas de última hora para o clássico em São Januário. Juan, lesionado, já estava fora. Antes de entrar em campo, Réver teve uma indisposição estomacal e ficou fora.

O jogo contra o Vasco foi feio e duro. No 1º tempo, praticamente não houve qualquer oportunidade de gol de lado a lado. Logo aos 18 minutos, o zagueiro Rhodolfo sofreu contratura muscular e teve que dar lugar a Léo Duarte. No 2º tempo, o Flamengo voltou melhor, jogando pelos lados do campo. Guerrero sofreu uma cabeçada e teve que sair. O centroavante vascaíno Luís Fabiano deu uma entrada criminosa em Léo Duarte, que o tirou do jogo (o atacante já tinha amarelo e não foi punido pelo juiz). O juiz apitou a falta, mas os jogadores vascaínos continuaram e concluíram a gol. Ouvindo o apito, o goleiro rubro-negro nem pulou. Protesto dos jogadores do Vasco, que passaram o jogo inteiro protestando com qualquer coisa. Quem achou o gol, no entanto, foi o Flamengo, após jogada individual linda de Everton Ribeiro, que cruzou para que seu xará escorasse de cabeça no canto. O Flamengo, sem poder contar com quatro dos cinco zagueiros do elenco, improvisou Rômulo na zaga. O Vasco, logo após o gol, em sua única chance de gol em toda a partida, quase empatou com Luís Fabiano. Mas, em campo, ficou nisso, três pontos importantes na conta!

Após a partida, cenas de barbárie: a torcida do Vasco atirou bombas em campo, impediu os jogadores rubro-negros de entrar nos vestiários, entrou em confronto com a polícia, tentou invadir a área de 10% de público reservada ao Flamengo, quebrou vidros, atacou os portões de acesso ao campo e quebrou os portões de saída do estádio. No fim do lastimável e lamentável espetáculo, um membro da torcida organizada do Vasco acabou morto no confronto com policiais nos entornos do estádio.

Quarta vitória consecutiva do Flamengo no campeonato, sexta vitória consecutiva quando reunidas as três competições que o clube disputava ao mesmo tempo. Com 23 pontos, o Flamengo segui 9 pontos atrás do líder Corinthians, que com 10 vitórias e 2 empates em 12 jogos, somava 32. O Flamengo terminou a rodada em 2º lugar, com o Grêmio caindo para 3º após sofrer três derrotas seguidas. Em 4º, o Santos tinha 20 pontos, seguido por Palmeiras com 19 e por Fluminense, Cruzeiro e Atlético Mineiro com 17.

Time titular: Thiago, Rodinei, Rhodolfo, Rafael Vaz e Trauco; Márcio Araújo, Cuéllar, Diego e Everton; Everton Ribeiro e Guerrero.
Téc: Zé Ricardo
Entraram: Léo Duarte no lugar de Rhodolfo, Leandro Damião no lugar de Guerrero e Rômulo no lugar de Léo Duarte



13ª Rodada - 13/07 - Flamengo 0 x 1 Grêmio
Local: Estádio Luso-Brasileiro (Ilha do Urubu)
Gol: Luan (25'1T)

O Flamengo jogou na 5ª feira, e entrou em campo já ciente das vitórias de Corinthians e Santos na rodada. O duelo contra o Grêmio era um confronto de direto, e pela primeira vez desde que reformulou o estádio da Ilha do Governador, os ingressos estavam esgotados. Caldeirão rubro-negro montado, pressão no adversário e missão definida: manter a perseguição ao líder. Desfalcado de Guerrero, suspenso, e Rhodolfo, lesionado, Zé Ricardo manteve a forma de jogar da equipe.

O Grêmio começou o jogo com uma marcação forte e tentando irritar torcida e adversário, demorando nas reposições, reclamando sempre fazendo muitas faltas. O time do Flamengo seguia mostrando dificuldades para superar ferrolhos defensivos, e só vinha conseguindo a base de jogadas individuais. Mas diante do tricolor gaúcho, seus jogadores mais criativos, Everton Ribeiro e, em especial, Diego, erravam muitos passes. E foi assim o jogo inteiro. A missão já era indigesta, ficou ainda pior qundo a defesa bateu cabeça num bate-rebate, Márcio Araújo furou, Trauco não cortou, Luan chutou para o gol, e Thiago não pulou para pegar um chute defensável. Atrás no placar, o cenário de jogo truculento e catimbado só piorou, com o Grêmio mantendo umarotina de seguidas faltas e jogadas ríspidas. Everton meteu uma bola na trave no fim do 1º tempo, em excelente chute de longe. No 2º tempo, o panorama não mudou. Zé Ricardo não pode ser acusado de falta de ousadia: tirou os dois cabeças de área e partiu ofensivamente para um tudo ou nada. O Grêmio teve suas chances em contra-ataques, mas o placar se arrastou igual até o apito final.

Primeira derrota rubro-negra na Ilha, o Flamengo ficou em 23 pontos, caindo para a 4ª colocação, ultrapassado pelo Grêmio e perdendo nos critérios de desempate para o Santos. O líder Corinthians não parava de vencer, saltando a 35 pontos, com 11 vitórias e 2 empates.

Time titular: Thiago, Rodinei, Réver, Rafael Vaz e Trauco; Márcio Araújo, Cuéllar, Diego e Everton; Everton Ribeiro e Leandro Damião.
Téc: Zé Ricardo
Entraram: Geuvânio no lugar de Márcio Araújo, Felipe Vizeu no lugar de Cuéllar, e Mancuello no lugar de Trauco.



14ª Rodada - 16/07 - Flamengo 1 x 1 Cruzeiro
Local: Mineirão, Belo Horizonte
Gols: Everton (9'2T) e Sassá (15'2T)

Pressionado pela derrota em casa na rodada anterior, o Flamengo viajou para enfrentar o Cruzeiro sem poder pensar em derrota. Jogo difícil, o time de Mano Menezes tinha uma poderosa linha de frente formada por Thiago Neves e Rafael Sóbis. O Corinthians havia empatado com o Atlético Paranaense, logo o Flamengo entrou em campo sabendo que tinha a oportunidade de tirar dois pontos da diferença para o líder. E o elenco ganhou mais um reforço, antes da bola rolar, o Valência, da Espanha, confirmou em seu site oficial a venda do goleiro Diego Alves para o Flamengo.

Foi um jogo bem jogado, embora tenham sido poucas as reais chances de gol para ambos os lados. O time rubro-negra tinha mais a posse de bola, mas continuava criando pouco. No 1º tempo, a única chance mais clara de gol foi cruzeirense. No 2º tempo, Thiago salvou, mas logo depois foi o Flamengo quem marcou. Rodinei cruzou na área e Everton entrou de surpresa por trás da zaga para testar para as redes. A vantagem durou pouco. O ex-botafoguense Sassá entrou em campo e um minuto após sua substituição encontrou um buraco entre os zagueiros para penetrar em meio a Réver e Vaz e tocar na saída de Thiago, colocando tudo igual. O Flamengo seguiu tendo maior domínio, mesmo como visitante, Zé Ricardo voltou a ser ousado nas substituições, lançando o time para cima, mas poucas chances reais, de lado a lado, aconteceram até o final.

Um empate fora de casa contra o forte time do Cruzeiro não podia ser considerado um resultado ruim, mas custava pontos frente os adversários no topo da tabela. O Corinthians fechou a rodada com 36 pontos, seguido pelo Grêmio com 28. Santos e Flamengo tinham 24, mas com desvantagem rubro-negra nos critérios de desempate. Palmeiras e Botafogo tinham 22, Cruzeiro e Sport tinham 21, e Vasco, Fluminense e Atlético Mineiro tinham 20. Fora o despegado Corinthians, um campeonato extremamente equilibrado. E o jogo seguinte era mais um confronto direto na Ilha do Governador, desta vez contra os palmeirenses.

Time titular: Thiago, Rodinei, Réver, Rafael Vaz e Renê; Márcio Araújo, Cuéllar, Diego e Everton; Everton Ribeiro e Paolo Guerrero.
Téc: Zé Ricardo
Entraram: Geuvânio no lugar de Everton Ribeiro, Mancuello no lugar de Cuéllar, e Berrio no lugar de Diego.



15ª rodada - 19/07 - Flamengo 2 x 2 Palmeiras
Local: Estádio Luso-Brasileiro (Ilha do Urubu)
Gols: Pará (7'1T), Willian (31'1T), Roger Guedes (42'1T) e Guerrero (43'1T)

O Flamengo teve uma sequência de três confrontos diretos contra adversários da ponta tabela e, repetindo 2016, não conseguiu vencer na hora decisiva. Mais uma vez controlou o jogo e teve um volume ofensivo maior que o adversário, mas sem conseguir converter em gol. Com seu novo goleiro, Diego Alves, vendo o jogo nas arquibancadas, e mais uma vez sem o então recém-contratado Rhodolfo, que com uma lesão muscular ficou um mês fora, o time empatou com o Palmeiras, mas desta vez por influência da arbitragem, que errou duas vezes contra o time rubro-negro, e ainda com o desperdício de um pênalti na 2ª etapa.

O Flamengo conseguiu o que precisava: abriu o marcador logo no começo do jogo. Guerrero fez bem o papel de pivô e rolou para Pará encher o pé e estufar as redes. Poderia ter ampliado, quando, logo depois, o zagueiro colombiano Yerry Mina cometeu pênalti sobre o peruano Paolo Guerrero, que o juiz não teve coragem de marcar. O time rubro-negro dominava absolutamente o jogo, era dono da partida. Porém, no primeiro ataque que teve, os palmeirenses empataram: novamente o juiz não marcou falta de Mina em Guerrero, o zagueiro ficou com a bola,pegou o sistema defensivo no contra-pé e enfiou para Willian penetrar pela intermediária, o goleiro Thiago saiu atabalhoadamente do gol, e o atacante palmeirense não perdoou. Dez minutos depois, um lance parecido, mas desta vez quem entrou frente a frente como goleiro rubro-negro foi Roger Guedes, Thiago desta vez saiu certo, mas não foi o suficiente para evitar a virada alvi-verde. Menos mal que no minuto seguinte, Thiago deu um chutão para frente que serviu de lançamento, Guerrero, com muito oportunismo, ganhou do zagueiro Luan e estufou as redes. Primeiro tempo eletrizante, com quatro gols. No 2º tempo, o jogo foi morno, com poucas chances de gol. Aos 28 minutos, porém, o Flamengo teve tudo para vencer! Geuvânio foi violentamente derrubado por Zé Roberto dentro da área. Pênalti que esta vez o árbitro marcou! Diego cobrou no canto direito, e o goleiro Jailson, lançado pelo técnico Cuca ao time titular no lugar de Fernando Prass a última hora, voou e defendeu. Empate agitado na Ilha do Urubu.

Com 25 pontos, o Flamengo se manteve no 4º lugar ao fim da rodada. O líder Corinthians voltou a empatar, ficando com 27, doze pontos a frente do Flamengo. O vice-líder Grêmio voltou a abrir distância para o Flamengo, saltando a 31. Em 3º lugar, o Santos estava com 27 pontos.

Time titular: Thiago, Pará, Réver, Rafael Vaz e Trauco; Márcio Araújo, Cuéllar, Diego e Everton; Everton Ribeiro e Paolo Guerrero
Téc: Zé Ricardo
Entraram: Geuvânio no lugar de Everton Ribeiro, Berrio no lugar de Márcio Araújo, e Mancuello no lugar de Everton