quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Copa São Paulo Sub 20 de 2011

100 Anos de Futebol do Flamengo: Grandes Conquistas

Em 2011 o Flamengo voltou a levantar o título da Taça São Paulo de Juniores, que conquistara pela primeira vez em 1990.

A campanha na 1ª Fase começou com um empate em 0 x 0 contra o Mogi-Mirim, de São Paulo. Este, porém, foi o último jogo em que o time enfrentou dificuldade naquela fase inicial. Nas duas rodadas seguintes, o time rubro-negro goleou por 7 x 1 ao Gurupi, do Tocantins, e confirmou sua classificação com uma vitória por 3 x 0 sobre o São José, de São Paulo. Na 2ª Fase, a equipe empatou em 2 x 2 com o Cruzeiro, batendo o adversário nos pênaltis por 5 x 3. Vaga garantida nas Oitavas de Final, fase na qual o time venceu por 1 x 0 ao São Paulo. A atuação mais contundente, entretanto, veio nas Quartas de Final, com uma goleada sobre o Coritiba por 6 x 2, com três gols do centroavante Lucas e dois do meia Adryan. Na Semi-Final, a parada foi muito mais dura, tendo havido um empate por 0 x 0 contra o Desportivo Brasil, clube de empresários de São Paulo, de propriedade da empresa de marketing esportivo Traffic, e que servia de plataforma para o cadastro de jogadores ligados a fundos de investimento que eram emprestados. Nos pênaltis, o time rubro-negro não teve dificuldades, vencendo por 3 x 0, e avançando para mais uma vez jogar uma Final da mais antiga e tradicional competição sub-20 do futebol brasileiro. O título veio com uma vitória por 2 x 1 sobre o Bahia.

Time Campeão: César, Alex, Marllon, Frauches e Anderson, Luis Philipe Muralha, Lorran e Adryan, Rafinha, Guilherme Negueba e Lucas. Com Thomás tendo sido bastante usado também.


COPA SÃO PAULO DE 2011
FINAL: Flamengo 2 x 1 Bahia (BA)
Local: Pacaembu
Gols: Frauches (7'1T), Rafael (30'1T) e Negueba (22'2T)

Flamengo: César; Alex, Marllon, Frauches e Anderson; Muralha, Lorran e Adryan (Pedrinho); Rafinha (China), Negueba e Lucas (Thomás). Téc: Paulo Henrique
Bahia: Renan; João Marcos (Valson), Eduardo, Everton e Laércio; Anderson, Fernando (Joeliton), Brendon (Rodrigo) e Felipe; Fábio e Rafael. Téc: Laelson Lopes


Diferentemente da geração que conquistou pela primeira a Copa São Paulo para o Flamengo em 1990, quando vários jogadores estouraram rápido no profissional, tendo participado ativamente das campanhas que culminaram nos títulos de Campeão Carioca de 1991 e Campeão Brasileiro de 1992, esta geração não teve o mesmo aproveitamento no profissional.

O goleiro César foi o terceiro goleiro do elenco até 2015, chegando a disputar 25 partidas com a camisa rubro-negra, tendo depois sido emprestado, primeiro para a Ponte Preta, durante o Campeonato Brasileiro de 2016, onde não conseguiu ser titular, e depois para a Ferroviária de Araraquara, por quem disputou o Campeonato Paulista de 2017. Já os laterais, os irmãos Alex Santos e Anderson Santos, foram vendidos para o Vitesse, da Holanda, no mesmo ano de 2011; em 2014 estiveram ambos, juntos, emprestados pelos holandeses ao Botafogo, onde também não conseguiram espaço.

A dupla de zaga era formada por Marllon, jogador que jogou poucas vezes no profissional (foram 17 jogos) tendo depois jogado em diversos clubes pequenos, no futebol carioca (Duque de Caxias e Boavista) e no futebol paulista (Rio Claro e Capivariano); e por Frauches, jogador que era titular da Seleção Brasileira sub-20, e que foi, dentre os jogadores de defesa desta time, o que conseguiu mais oportunidades no profissional do Flamengo, tendo entrado em campo 27 vezes. Na proteção à zaga, o cabeça de área Lorran não vingou no profissional, tendo a partir de então migrado como nômade pelo futebol brasileiro: Audax Osasco, de São Paulo (2014), Madureira (2014), Tupi, de Juiz de Fora (2015), Rio Branco, do Paraná (2016), e Bangu (2017). Outro que não teve chances no profissional da Gávea foi o centroavante Lucas, que em 2014 migrou para o futebol português, mas sem ter tido sucesso, voltou ao Brasil para jogar o Campeonato Carioca de 2015 pelo Bangu e o de 2016 pelo Macaé.

Fechando a equipe, o quarteto que mais oportunidades conseguiu na Gávea: o volante Luiz Philipe Muralha, o meia Adryan, e os pontas Rafinha e Negueba. Muralha entrou em campo 68 vezes com a camisa rubro-negra entre 2011 e 2014, tendo depois sido emprestado para Bragantino, em 2015, e Luverdense, do Mato Grosso, por quem jogou a Série B do Campeonato Brasileiro de 2015 e de 2016, e posteriormente foi vendido ao Pohang Steelers, da Coréia do Sul. O meia Adryan entrou em campo 48 vezes entre 2011 e 2013, marcando três gols, passando em seguida, por empréstimo, por Cagliari, da Itália, Leeds United, da Inglaterra, e Nantes, da França. Voltou ao Flamengo em 2016, mas foi pouquíssimas vezes aproveitado. Já o arisco Guilherme Negueba, deste time, foi quem mais vezes vestiu o manto rubro-negro, entrando em campo 90 vezes com a camisa do Flamengo entre 2011 e 2014, tendo marcado 6 gols. Em 2013 esteve emprestado ao São Paulo e depois passou por Coritiba (2015) e Grêmio (2016). Mas as grandes expectativas mesmo estiveram em torno do ponta-direita Rafinha, que explodiu como revelação no Campeonato Carioca de 2013, tendo jogado 44 jogos e feiro 3 gols durante aquele ano. Mas não tardou em cair de produção. Acabou emprestado, jogando por Bahia (2014) e Atlético Goianiense, e passando depois pelo futebol da Coréia do Sul e da Tailândia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário